PROVÉRBIOS ÁRABE DO DIA:

"Dança do ventre, é a modalidade de dança que melhor simboliza a essência da criação, onde se agradecia o milagre da vida, louvando, com dança e oração, o prazer, o nascimento e a sensualidade feminina."

terça-feira, 5 de novembro de 2013

BAILARINA DA CAPA 2014.

HABIBIT, SEJA VOCE A BAILARINA QUE ILUSTRARÁ A PAGINA DO BLOG EM 2014, MANDE SUAS FOTOS PARA O E-MAIL: jamalmarzuq@hotmail.com , NÃO SERÁ SELECIONADA A VENCEDORA E SIM SORTEADA, PARTICIPEM.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

JAMAL ENTREVISTA - ERIKA LEVI.

 

JAMAL- Gostaria de primeiramente agradecer por estar concebendo essa entrevista ao nosso blog.
ERIKA- E eu agradeço a você o interesse em divulgar a arte da dança e divulgar os profissionais que se dedicam.

J- Como e quando foi seu primeiro contato com a dança do ventre?
ERIKA- Eu assistia alguma coisa pela internet ou pela TV, mas me interessei efetivamente em fazer aulas através da academia que eu frequentava. Eles contrataram uma professora de Dança do Ventre para iniciar uma turma. Foi em 2009 quando fiz minha primeira aula experimental e não larguei mais.

J- Hoje, qual sua visão no geral da dança no Brasil, acha que ainda é dança do ventre?
ERIKA- A Dança do Ventre para mim é uma dança única. Você pode assistir 10 bailarinas que cada uma delas terá um estilo pessoal. Creio que acontece isso com a Dança do Ventre em todo o mundo. Cada país agrega um estilo pessoal enriquecendo a dança. Cabe a cada bailarina aprofundar seus conhecimentos culturais para não se afastar da base da DV.

J- Você ministras aulas?
ERIKA- Sim, dei aulas em 2012 em Curitiba e agora estou voltando a dar aulas em Sao Paulo.






J- Vi que viaja muito, dançando em varias cidades, conte -nos um pouco dessa experiência?
ERIKA- Na verdade não viajo muito pela dança, viajo mais pelo meu outro emprego - Engenheira. Em cada cidade que estou busco conhecer os profissionais que se dedicam a dança e aprender com eles. 
 Acredito que quanto mais conhecemos pessoas diferentes, mais aprendemos com cada uma e podemos levar um pouco de cada um conosco, aumentando nossa experiência.



J- Já dançou fora do Brasil?
ERIKA-  Ainda não, mas não me cobro isso como sendo essencial. Gosto de ter a dança na minha vida como algo que me leve à felicidade, ao bem-estar. Gosto de passar isso as minhas alunas e as pessoas com quem convivo. Dança para mim é um estado de gratidão à amizade, ao amor e à vida. Tomo muito cuidado para que não se torne algo obrigatório ou que modifique o ego.


J- Você tem um estilo preferido que goste de dançar? E qual acessório preferido?
ERIKA- Estilo preferido não. Gosto de todos. Acessório: espada.

J- Prefere play back ou banda ao vivo para dançar?
ERIKA- Sem dúvida banda ao vivo. A música passa primeiro pelo coração para depois ser transmitida para o corpo em forma de movimentos.  A música ao vivo para mim é mais intensa.

J- Eu bato na tecla da profissionalização da dança do ventre (professoras) qual sua opinião a respeito desse assunto?
ERIKA- É difícil dizer. Existem várias formas de aprender a mesma técnica. A forma que você aprendeu foi a mais correta para passar adiante? O que nos ajuda muito a decidir isso creio que é ter uma base de Ballet Clássico. Para mim é mãe de todas as danças que nos ensina postura, técnica, graça e leveza. 
As alunas sabem distinguir se a professora é boa ou não. Cabe a cada uma decidir.
 


  




J- Quando dança, você se sente uma mulher árabe?
ERIKA - Não mesmo. Continuo sendo a mesma Erika Levi só que com um pouco mais de maquiagem.



J- Continuando no ambiente árabe, acha q além de dançar também deve-se conhecer a cultura desse povo?
 ERIKA-  Para quem se interessa em ser profissional creio que seja muito importante. Depende muito do seu objetivo para com a dança do ventre.

J- Você acredita que a dança do ventre traga benefícios a mulher?
ERIKA-  Sem dúvida que sim. Fora os benefícios físicos visíveis, quando se pratica a dança continuamente ela ajuda a melhorar o humor, a auto-estima e um item que nós mulheres estamos perdendo com o passar do tempo que é a feminilidade. 

Temos muitas tarefas diárias a cumprir, trabalhar, estudar, manter uma casa. Muitas vezes deixamos o nosso lado mulher escondido. A Dança do Ventre nos ajuda a redescobrir isso.

J- Algum dia passou pela sua cabeça parar de dançar?
ERIKA- Não mesmo. A dança sempre fez parte da minha vida de uma forma muito especial. É uma beleza que me encanta desde criança. Creio que cada pessoa tenha um lado artístico - dança, música, artes cênicas, artes plásticas, enfim.
E creio que precisamos desse lado para nos encontrarmos com nossa alma.

J- shuckran habibit, por esta entrevista!
 ERIKA-  Gostaria de agradecer a sua atenção a essa arte tão especial. A internet hoje é o nosso principal meio de divulgação e precisamos de pessoas que levem a arte ao mundo.
Obrigada.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

EGITO, O BERÇO DA ESTÉTICA, BELEZA E PERFUMES.

 
O Egito antigo é fascinante, seja por suas construções, seu povo, suas crenças, artes, mas algo que surpreende no Egito é a parte que cuidava da beleza, os cabelos, corpo, rosto, perfumes, o povo egípcio estava sempre criando novos produtos que hoje são essenciais para acrescentar a beleza, no Egito antigo nasceu a estética.
 
COSMÉTICOS
 
 
Esfoliantes, epilação, cremes anti-rugas, métodos para eliminação de estrias, extensões capilares, halitosis e odores corporais desagradáveis, parecem expressões muito modernas e associadas a qualquer montra de uma das nossas metrópoles actuais, no entanto, todos eles eram também conhecidos Bust of Nefertiti from Berlin's Altes Museum.no antigo Egipto.
 
Cleópatra VII, é talvez a mais afamada mestra desta arte, tendo-lhe sido imputada a criação de um livro onde revelava os seus segredos de beleza. Os Egípcios usavam cosméticos independentemente do seu sexo e “status” social, tanto por razões terapêuticas como estéticas. Utilizavam muito frequentemente maquilhagem branca, preta (feita à base de óxido de carbono ou magnésio) e, maquilhagem verde (derivada da “malaquite” e outros materiais compostos por cobre). O vermelho ocre obtinha-se misturando terra com água e aplicava-se nos lábios e nas maçãs do rosto. A “henna” usava-se para cobrir as unhas de amarelo ou laranja. Foram encontrados tubos, com o nome de Nefertiti e da sua filha, nos quais guardavam khol, uma tinta para os olhos, que se obtinha misturando e reduzindo a pó, antimónio, óxido de cobre, amêndoas queimadas, “malaquite” verde, “cerussite” (um carbonato branco de chumbo) e, algumas Text Box:  

Malaquite
vezes, pequenas porções de compostos de chumbo, “laurionite” e “fosgenite”, que posteriormente era misturado com óleo ou gordura. Este produto era armazenado em jarros e aplicado nos olhos, recorrendo ao uso de um pequeno pau. Entre os achados arqueológicos mais antigos, contam-se inúmeros destes jarros, alguns deles ainda por utilizar, como o encontrado no túmulo de Tut-anj-Amon, em forma de leoa, o qual continha unguentos e perfumes onde se puderam identificar 7 tipos diferentes de óleos vegetais e um óleo de origem animal. Estes recipientes eram inicialmente construídos de granito e basalto e posteriormente de alabastro. Pintavam-se as pálpebras superiores e inferiores, acrescentando-se uma linha desde o canto do olho, até aos temporais. Acreditava-se que a maquilhagem tinha propriedades mágicas e até curativas.
Os Egípcios acreditavam que ao se apresentarem perante os deuses, no dia do julgamento da morte, tinham que observar certas regras de vestimenta.
Perfume flasks           
 
Queen Tiyi Kohl Tube (Photo: Rosicrucian Order)
“ Um homem tem este discurso quando está puro, limpo, vestido com roupa nova, calça sandálias brancas, com os olhos pintados e untado com os melhores óleos de mirra”.
 
Capítulo 125 do livro dos mortos-M.Liichthein, literatura do Egipto antigo, Vol. 2, p. 131
 
 
Cosméticos para os olhos eram importados de Punt para Hatshepsut, juntamente com, incenso-ihmut, incenso-sonter, símios e macacos. A importação de cosméticos representava o segundo maior negócio na balança comercial com o estrangeiro, imediatamente após a importação de madeira. Cosmetics jarsThutmose III trouxe uma quantidade não determinada destes produtos das suas campanhas em Naharin. O óxido resultante de folhas esmagadas era misturado com água e cloreto de sódio (pedra de sal), seguindo-se um processo repetitivo de filtragem que poderia durar semanas, até estar completo. O clorídio de folhas resultante, era utilizado como ingrediente para a maquilhagem dos olhos do qual, mediante a adição de gordura e pós secos, se conseguia uma grande variedade de unguentos. As senhoras Egípcias ricas, pintavam as unhas e tratavam a pele e cabelos, com creme e óleos. Na sepultura de três damas Egípcias, da corte de Tutmosis III (1450 AC), encontraram-se uma grande variedade de cosméticos, dos quais chamava particularmente a atenção, umas jarras que continham um creme de limpeza, composto por óleo vegetal e cal, ou talvez gesso.
 
Os unguentos cosméticos eram muito apreciados e universalmente reconhecidos, tendo mesmo sido utilizados como moeda de troca, antes do aparecimento do dinheiro.
 
 
Cremes Corporais
 
Os Egípcios dispunham de uma grande variedade de cremes corporais, nos quais, como já referimos, utilizavam uma diversidade de óleos. Entre os mais comuns, destacam-se: óleo de linho, sésamo (Sesamum indicum), óleo de rícino (Ricinus communis), óleo de Balanos (Balanites aegyptiaca), óleo de amêndoa de Moringa (Moringa pterygosperma), óleo de oliva (Olea europea) e óleo de amêndoas. Os óleos animais, que também se utilizavam nestes unguentos, derivavam geralmente do gado bovino e dos gansos. Segundo a tradição, Cleópatra banhava-se, diariamente, em leite de burra. O leite de vaca e de mulher, eram usados como remédios terapêuticos (Ebers, 642) e o leite coalhado era usado, topicamente, em produtos cosméticos, sendo rico em ácido lácteo e alfa-hidroxiácidos, muito utilizados na actualidade na indústria cosmética. Tornou-se lendário o chamado, unguento de Mendes, ao qual se referiam Plinio e Dioscórides, e que era muito apreciado, exportando-se para a Grécia e Ásia menor. Ao que parece, era um unguento de complexa composição e que, provavelmente, poderia ser confeccionado de diversas formas, tendo uma delas sido descrita por Plinio como contendo: Óleo de Balanos, resina, mirra, óleo de azeitonas verdes, cardamomo, mel, vinho, gálbano e resina de turpertina. Este composto utilizava-se como creme corporal, depois do banho. Um outro unguento corporal, “para rejuvenescer e devolver a vida”, consistia num extracto de banha de porco e de boi, juntamente com diversas outras substâncias: incenso, cera de abelha, óleo de enebro e sementes de coriandro, que após aquecido, era aplicado sobre o corpo, realizando-se fricções com mirra, após a sua aplicação (Ebers, 652).
 
Cremes anti-rugas
 
Os tratamentos anti-rugas eram bastante comuns no antigo Egipto, como nos sugerem as diversas formulações contidas nos papiros médicos.
 
As rugas tratavam-se com aplicações diárias de uma mistura de incenso, cera de abelhas, óleo de Moringa, e frutos verdes de cipreste (Ebers, 716). A receita termina com a inscrição: “prova-o e verás!”.
 
Outra receita era composta por pó de goma dissolvido numa substância, não totalmente identificada, chamada água de padou (talvez mel e um óleo vegetal). O resultado era um líquido viscoso que se aplicava sobre a cara, depois da lavagem. Ao que parece, produzia o efeito de “esticar a pele do rosto” (Ebers, 719), que tem algum paralelismo com os modernos “gommages”.
 
 
AROMATERAPIA E PERFUMES
 
CoverAromaterapia, a arte de manipular fragrâncias voláteis e óleos essenciais, teve o seu início nos tempos antigos, particularmente no Egipto, tendo-se já catalogado 21 tipos diferentes de óleos vegetais utilizados pelos Egípcios. O objectivo desta terapia é o de proporcionar uma experiência holística, tratando simultaneamente o corpo e a alma como um todo. A própria história Egípcia encontra-se profundamente ligada à aromaterapia e aos seus poderes curativos, tendo como patrono o deus Nefertem, deus dos perfumes, filho de Sekhmet (a deusa leoa) e neto de Ra, o mais poderoso deus da mitologia Egípcia.
 
Os perfumes Egípcios eram famosos por todo o Mediterrâneo. Pliny “O ancião”, escritor Romano autor da “História Natural”, descreve um perfume que ainda mantinha a sua fragrância após oito anos. Os perfumes eram geralmente elaborados com plantas: as raízes ou folhas da “Henna”, canela, turpentina, iris, lilas, rosas e amêndoas amargas, eram mergulhadas em óleo e algumas vezes cozinhadas. A essência era extraída espremendo o resultado da cozedura e adicionavam-se óleos para produzir perfumes líquidos, enquanto os cremes e os unguentos eram o resultado da mistura com gordura ou cera. Muitos perfumes possuíam mais de uma dúzia de ingredientes. A arte de extrair e destilar perfumes, começou há milhares de anos, tendo sido aperfeiçoada em 2500 a.C. Era praticada pelos monges do templo de Denderah, onde uma das suas paredes mostra o método utilizado na extracção e destilação destes óleos, o qual ainda se encontra em uso pelos agricultores Egípcios da actualidade. Os odores agradáveis eram associados aos deuses, sendo Ra, o deus do sol, a fonte de todos eles. A maioria das fragrâncias era proveniente de Punt, tal como descrito nas inscrições que relatam a concepção e nascimento de Hatshepsut.
 
 
“Ele encontrou-a enquanto ela dormia na beleza do seu palácio. Ela acordou com a fragrância do deus, a qual já tinha cheirado na presença de sua majestade. Ele dirigiu-se para ela imediatamente, “coivit cum ea (deitou-se com ela), impôs-lhe o seu desejo e provocou que ela o visse na sua forma de deus. Quando ele lhe apareceu, ela rejubilou perante a sua beleza e o seu amor passou para os seus membros, inundados pela fragrância do deus; todos estes odores provinham de Punt
J.H.Breasted, Antigos relatos do Egipto, parte 2, capítulo 196
 
 
O óleo de cedro era considerado o mais sagrado de todos os óleos destilados, sendo o principal usado no processo de mumificação. Os sacerdotes Egípcios descobriram o verdadeiro poder dos óleos e acreditavam que, certos tipos de perfumes podiam aumentar o poder do indivíduo. Os sete óleos sagrados utilizados na mumificação eram: Festival de perfume, Hekenu, Bálsamo Sírio, Nechenem, Óleo suavizante, o melhor óleo de Cedro e o melhor óleo da Líbia. Estes óleos faziam também parte dos rituais de magia Egípcios. A fragrância Egípcia mais famosa, Kyphi, que significa “boas vindas dos deuses”, acreditava-se ter propriedades hipnóticas. Na cidade do sol, Heliopolis, queimavam-se resinas de manhã, mirra à tarde e kyphi à noite, para o deus Ra.
 
 
HIGIENE
 
Herodotos escreveu:
 
“Eles são muito cuidadosos na utilização de peças de linho recém lavadas. Eles circuncisam os seus filhos, com intuitos de asseio, dando prioridade à higiene em detrimento da beleza.”
 
A importância que os egípcios davam à higiene reflecte-se no facto do supervisor real da lavandaria, ser uma personalidade proeminente da corte. Esta preocupação com a higiene e o cuidado corporal transcendia os sexos, sendo que ambos, homem e mulher, recorriam ao uso de cosméticos e óleos corporais. A necessidade de utilizar protecção para a pele, num clima quente e árido, era entendida por todas as classes sociais, fazendo parte das rotinas diárias, a aplicação destes óleos. Existem indícios que provam que a distribuição de produtos, para o cuidado corporal, era feita diariamente, como parte do salário, mesmo às classes mais baixas.
Eles utilizavam swabu (deriva de (s)wab, que significa lavar) como sabão, uma pasta que continha cinza ou barro, muitas da vezes misturados com essências. Os papiros médicos de Ebers, os quais datam do ano 1500 a.C., descrevem uma mistura de óleos animais e vegetais com sais alcalinos, os quais eram utilizados como sabão no tratamento de doenças de pele, bem como, na sua lavagem. Embora tenham sido encontradas algumas casas de banho, é naturalmente aceite, que os Egípcios se contentavam em tomar banho por aspersão ou por imersão nos canais fluviais. Para os cuidados mais específicos do corpo, usavam lavatórios que enchiam com soluções salinas usando areia como agente esfoliante, lavando-se ao acordar, assim como, antes e depois das refeições principais. Nas casas mais abastadas, podiam-se encontrar quartos de banho, onde os escravos deitavam grandes quantidades de água sobre os seus patrões, utilizando um óleo animal ou vegetal, misturado com pó de lima, como sabão. Na lavagem dos dentes usavam outra solução chamada natron, composto natural de carbonato de sódio (Na2CO3), bicarbonato de sódio (NaHCO3), cloreto de sódio (NaCL) e sulfato de sódio (Na2SO4), cujo nome provém do latim, natrium, que significa sódio. Manter um hálito fresco era outra das suas preocupações, mascando folhas de tâmara, para esse efeito.
 
 
CABELOS
Perfume cone
O cuidado dos cabelos era de vital importância no Egipto, embora fosse frequente o uso de perucas, que eram fixadas ao couro cabeludo com uma mistura de cera de abelhas e resina. As perucas, feitas de lã de ovelha, cabelos humanos ou, mais tarde, fibras de palmeira, eram utilizadas, tanto por mulheres como por homens, em festas, actos oficiais ou simplesmente para se protegerem contra o calor. Era comum utilizar-se cones de gordura na cabeça ou aplicados nas perucas, cuja acção era a de protegerem os cabelos dos efeitos do sol, que além de manterem as perucas humedecidas, exalavam uma agradável fragrância enquanto iam, lentamente, derretendo. Esta prática era tida como um acto social e recorria-se à distribuição dos cones por servos que os colocavam nas cabeças dos convidados.
 
 
A realeza podia também utilizar uma aplicação de cabelo, ou barbas postiças, tal como a utilizada pela rainha Hatshepsut, que realçavam o seu “status” real. Quando não utilizadas, as perucas eram guardadas em caixas especiais e colocadas em exposição nas suas casas. O profundo valor simbólico do cabelo existiu em todas as civilizações, tendo sido encontradas numerosas fórmulas para os cuidados capilares, nos papiros de Ebers (Ebers, 432-476). Por exemplo, a queda capilar era tratada com compostos à base de óleo de rícino e meliloto, tendo também sido utilizados tónicos capilares confeccionados com mirtilho, tamarindo e turpertina. Os papiros de Ebers também contêm fórmulas para provocar a calvície, as quais eram utilizadas para trazer a desgraça àqueles que se odiava.
 
“Folhas de lotus fervidas, adiciona-se óleo e aplica-se sobre a cabeça da mulher que se destesta
Ebers, 475
 
Também os cabelos brancos eram tratados com unguentos à base de óleo e extractos vegetais, aplicados quentes sobre a cabeça. Foram achadas diversas fórmulas cosméticas, registadas em papiros, destinadas a “fazer desaparecer o branqueamento dos cabelos” (Ebers, 458, 459 e 460). Outra técnica bem conhecida pelos Egípcios, eram as tintas capilares, como pôde ser comprovado em algumas múmias que apresentavam os cabelos avermelhados, provavelmente recorrendo às propriedades da Henna. A caspa era tratada com uma mistura de farinha de cebada calcinada e gordura de boi (Ebers, 712). O pêlo indesejável era rapado ou depilado, havendo relatos de Heródoto relativos aos sacerdotes que dizem:
Text Box:
“...rapam o corpo inteiro a cada dois dias a fim de que nem piolhos ou outros parasitas adiram à sua pessoa enquanto servem os deuses”
Text Box:  Heródoto, Histórias II – Projecto Gutenberg
 
Esta prática foi corroborada com o achado de navalhas e instrumentos para a barba, feitos em cobre, bronze, ferro ou até em ouro puro, nos túmulos Egípcios. A depilação realizava-se com a aplicação de cremes depilatórios, feitos à base de ossos de pássaro esmagados, óleo, goma e pepino, entre outros ingredientes, que eram aplicados quentes Text Box:  e removidos após esfriarem (Hearst 155). Também se utilizavam pinças, tjait-iret, para extrair os pêlos indesejados.
 
Alguns estilos de cabelo eram similares aos de hoje em dia, sendo o cabelo curto mais utilizado pelo cidadão Barbercomum. Enquanto as raparigas mais novas prendiam o cabelo entrançado atrás, os rapazes rapavam a cabeça e alguns deles, como o jovem Ramsés, usavam uma tufa de cabelo num dos lados. As senhoras abastadas usavam ganchos de cabelo, lâminas, espelhos portáteis e era normal frisarem o cabelo, sendo que algumas, sobretudo as mais jovens, tinham cabelos suficientemente longos para os carapinharem.
 
“O meu coração pensava no amor que sentia por ti, enquanto metade do meu cabelo já se encontrava carapinhado; saí a correr para te encontrar sem terminar o meu penteado. Agora, se me deixares terminar de carapinhar o meu cabelo, estarei pronta num instante.”
pHarris 500 -  M. Lichtheim, Literatura do Antigo Egípto, Vol. 2, pág. 191
 
 
Houve períodos em que os cabelos se usaram longos sobre os ombros ou até mais compridos, tanto por homens quanto por mulheres. Mas também houve épocas em que os adultos, homens e mulheres, usaram as cabeças totalmente rapadas. Alguns historiadores atribuem este facto à prevenção de piolhos.
 
 
REFLEXOLOGIA
 
A reflexologia podal é uma técnica antiga de tratamento por pressão que envolve a aplicação de pressão focalizada sobre pontos “reflexivos”, localizados nos pés, os quais correspondem a determinadas áreas do nosso corpo. Não se sabe ao certo quão antiga é esta técnica, no entanto, existem alguns factos que apontam para a sua utilização pelos Egípcios, há cerca de 5000 anos atrás:
 
Ø      Uma gravura encontrada num dos templos construídos por Ramesses II, que aponta para um tratamento de massagem efectuado aos pés cansados dos soldados, no decorrer das longas caminhadas a caminho da batalha de Qadesh;
Ø      Uma gravura encontrada no túmulo do médico Ankhmahor, em Saqqara, no Egipto, que sugere uma massagem aos pés e às mãos, na qual encontramos uma inscrição com a exclamação de um paciente: “Não me faças doer.”; e a resposta do terapeuta que diz: “Actuarei de forma a agradar-te”.
Ø      O túmulo de Ptah-hotep contém mais uma magnífica gravura em baixo relevo, que mostra um escravo a massajar as suas pernas e pés;
Ø      Relatos históricos confirmam que Marco António massajava os pés de Cleópatra nos jantares festivos.
 
wpe3.jpg (16500 bytes)
 
Acredita-se que a reflexologia terá sido passada, pelos Egípcios, aos Romanos e daí até aos nossos tempos, sofrendo uma série de mutações que a transformaram nas técnicas utilizadas hoje em dia.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A BAILARINA DE UMA MUSICA SÓ.

                                                       
    Por: Jamal Marzuq

Habibits, quero abordar um assunto que a muito tempo esta em minha cabeça, é sobre "aquela bailarina que em todas suas apresentações dança a mesma musica, nossa que tedio, e tem muitas assim por ai.
Ser bailarina de dança do ventre é ser completa, conhecer ritmos, estilos, instrumentos, enfim é estar familiarizada com o universo que envolve a dança do ventre, ela dança aquilo que tocar de prontidão, e quando dança a mesma musica em outra ocasião ela não imita os passos, não coreografa, não decora aqueles passos para aquela musica, ela simplesmente dança, cria, passa na sua dança aquilo que esta sentindo no momento, bom, mas vamos lá, tem algumas bailarinas que só dançam a "sua musica", ela escolhe uma musica em si e parece que só ensaia aquela musica, aquele ritmo, ela sabe todas as passagens, os detalhes da musica e faz a sua coreografia decorada em cima, logico que fica bom, afinal ela só dança aquilo, é como alguém que se dedica a um esporte ele fica bom naquilo que faz em todos seus treinos, vira profissional. Então podemos dizer que tem bailarinas profissionais em determinadas musicas, eu vejo muito isso acontecer, você vai em uma festa que ela vai dançar la vem ela com sua musica, ai você vai a um restaurante que ela dança e novamente a mesma musica e coreografia, voltamos ao restaurante dias depois e lá esta ela com a mesma coisa, tem um festival de dança e a tal bailarina irá se apresentar começa tocar sua musica você já sabe; é a mesma, já ate decorei toda sua dança, isso torna a bailarina enjoativa, quando sabemos que ela irá se apresentar em algum lugar perde-se na hora a vontade de ir, pois você já sabe a musica que ela irá dançar e da forma que irá dançar. Bailarinas não sejam a bailarina de uma musica só, sempre tem aquela musica que gostamos, mas a use para estudo e não para seu show, vocês não são politicas para ficar repetindo discursos toda vez que sobe no palanque, e tenha certeza que na plateia sempre terá algumas dezenas de pessoas que já a viram dançar em outros eventos e lugares, então seja completa e dance coisas novas, inove em suas apresentações, se desafie e será grande sempre que se apresentar, pois a dança esta em sua alma e não em sua coreografia perfeita.
Boa dança a todas.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

PARABÉNS PROFESSORAS DE DANÇA DO VENTRE

Por: Jamal Marzuq

A preciosa professora de dança do ventre, a mestra, grande divulgadora e ensino dessa arte milenar de expressar a essência da mulher, essa terapia benéfica ao corpo feminino. Hoje dia 15 de Outubro é o dia de todas as maravilhosas mestras da dança do ventre, elas que passam seus ensinamentos com amor, dedicação  e carinho.
Todas alunas ficam vidradas quando a mestra dança, encanta, todas se espelham sempre em suas professoras e querem ser iguais a elas, deve ser um prazer indescritível passar o conhecimento a outras pessoas dessa arte, creio que uma professora de DV é uma pessoa iluminada e realizada, imagine você ter o poder de mudar a vida de alguém para melhor, pois é isso que a dança do ventre faz, ela muda completamente a vida das mulheres que a praticam, seja em saúde, físico, e mental, todas se tornam melhores, vou além todas se tornam deusas.
Parabéns mestras, continuem sempre ensinando e eternizando a dança do ventre, parabéns a todas mestras do mundo, as americanas, egípcias, israelenses, japonesas, croatas, alemãs, chilenas, argentinas, uruguaias, venezuelanas, peruanas, espanholas, italianas, inglesas, tailandesas, africanas, holandesas, russas, mexicanas, porto riquenhas, portuguesas locais onde meu blog é sempre acessado e principalmente as maravilhosas professoras brasileiras.

Boa dança a todas.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

OS ENCANTADORES ESCARAVELHOS EGÍPCIOS


Por: Jamal Marzuq

Os Escaravelhos Egípcios, qual bailarina que nunca se encantou pelo Egito, País onde a dança tem um poder incrível, berço da civilização e da dança, quem não quer pisar naquele solo, tocar em seus monumentos, sentir seu clima e seus sabores.
 Mas tem um símbolo no Egito que é muito forte, é sempre visto em quase todos os filmes que retratam o Egito, ou documentários sobre o País, o Besouro Escaravelho Egípcio, portador de um simbolismo místico e ate hoje influente no País usam eles como amuletos pois dizem que eles são os protetores dos mortos no caminho para o além.
Mas devido a todo esse misticismo envolta dos Escaravelhos, eles se popularizaram e viraram peças de decoração, joias, souvenir. Joias principalmente para a bailarina do ventre, que traz fortes lembranças da antigas bailarinas que dançavam ornamentadas com tais objetos, deixando a dança do ventre mais mística. Selecionei alguns escaravelhos em joias que deixam qualquer bailarina uma verdadeira imperatriz egípcia, e também as tatuagens já que hoje elas fazem parte de muitas bailarinas dando ainda mais o tom de misticismo.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

FAÇA AQUILO QUE TE FAZ BEM. FAÇA DANÇA DO VENTRE.

Por: Jamal Marzuq


Devia ser uma regra, uma obrigação, fazer aquilo que nos faz bem, que nos faz se sentir plenamente felizes e realizados. Com toda correria do dia a dia, contas pra pagar, receber, obrigações profissionais, caseiras, tudo isso se acumulando é fácil acontecer o tal "estresse", por isso precisamos ter uma válvula de escape, e acho que a melhor delas é a arte, pode ser qualquer forma de arte, mas tem duas em especial que com certeza alivia todo e qualquer tipo de estresse, a Dança e a Musica. Bom as duas estão ligadas diretamente então ate podemos dizer que se trata de uma só.
No meu caso e creio que da maioria que frequentam o Blog, a dança escolhida é a Dança do Ventre, e sem duvidas ela é mais que uma terapia contra o estresse, ela é uma filosofia para vida plena e feliz, conheço muitas bailarinas e todas tem o sorriso mais belo que já vi em uma mulher, parece que todas estão sempre irradiando felicidade, sei que as vezes tem problemas (todos temos), mas acho que elas lidam melhor com eles, ou melhor a dança as faz lidar melhor, é como se a dança do ventre fosse a passagem para um outro mundo onde não existe medo, dor, sofrimento, angustia. Viver bem é aquilo que todos desejam, mesmo o homem se beneficia com a dança do ventre, sendo o expectador ele absorve toda a sua energia benéfica que ela propicia, confesso que não da para descrever a satisfação de assistir uma bailarina rodopiando ao som de belos derbaks, snujs, alaúdes, flautas, daffs e outros instrumentos da musica Árabe.
Seguir os passos da Dança do Ventre com certeza lhe trará a felicidade, vale a pena investir, dedicar-se a Dança do Ventre, pois ela lhe trará a felicidade, os bons fluidos da arte milenar da dança lhe fará ser uma pessoa melhor realizada.
Gosto sempre de falar sobre as coisas boas da dança, e não vi nada de ruim nela, em nenhum aspecto que seja, ela é perfeita e acho que todas concordam com isso. deixem comentários falando de sua opinião sobre a dança e o beneficio que ela lhe trouxe.
Um imenso abraço a todas, estava com saudades de escrever aqui.

Boa dança a todas.

Jamal




quarta-feira, 25 de setembro de 2013

ESTAMOS DE VOLTA.

Voltando as postagens no blog, peço desculpas pela ausência de alguns meses sem postar nada, mas vamos iniciar com muitas novidades, agradeço a todas(os) que acompanham o Blog,  a todas(os) que todos os dias entram dar uma espiadinha e me mandaram muitos e-mails pedindo para voltar as postagens e não abandonar o Blog, fiquem calmas jamais abandonarei nosso cantinho, meu cantinho onde posso escrever minhas idéias, meus pensamentos, meus textos, minha receitas, dividir um pouquinho com todo mundo. Vamos lá, o Blog esta novamente em ebulição.










Jamal Marzuq

terça-feira, 16 de julho de 2013

RAMADÃ 2013

ESTE MÊS SAGRADO O BLOG FICARÁ PARADO, MAS PÓS RAMADÃ VOLTAREMOS COM MUITAS NOVIDADES E MATERIAS EXCLUSIVAS....SHUCKRAN HABIBITS E HABIBIS!


quarta-feira, 29 de maio de 2013

JAMAL ENTREVISTA - JOYCE FRANÇOSO

Abrindo a série de entrevistas com as brilhantes alunas de dança do ventre, iniciamos com a dedicada bailarina Joyce Françoso:
  

Jamal -Joyce gostaria de agradecer por estar me concebendo essa entrevista ao blog, ao nosso blog, já que você é parte dele, ilustrando a capa principal.
Joyce Françoso -Jamal .. Eu que agradeço a participação e agradeço á você por compartilhar sua sensibilidade conosco.

Jamal -Eu acompanho seu trabalho a algum tempo e sei que ainda esta aprendendo a dança do ventre, mas vejo sua dedicação, esforço e amor pela arte da dança, por isso resolvi abrir o espaço de entrevistas também para alunas. Me fale como voce se interessou pela dança do ventre?
Joyce Françoso -Eu sempre gostei muito de dançar... Fiz alguns anos de Jazz e a dança do ventre apareceu depois.
Logo que á conheci através da história e depois fui buscar vídeos no Youtube , foi paixão a primeira vista.
Toda a cultura árabe também passou a ter um espaço muito especial na minha vida.
Mas sou apaixonado pelo espírito da dança .. ele faz muito bem á nós mulheres .

Jamal -Quem foi sua primeira professora?
Joyce Françoso -Beatriz Fernandes.... ela é super novinha e dava aula em uma escola pequena perto da minha casa.
Depois fui ter aula com a Nesrine .... foi a primeira professora , profissional de dança .

Jamal -Onde você pensa ou quer chegar com a dança? Pensa em dar aulas?
Joyce Françoso -Eu gosto de dançar rs ...
Quero chegar á nível profissional, dar aula não é minha pretensão .... mas ser bailarina profissional sim.
  

Jamal -Como e qual foi a experiência de seu primeiro espetáculo, sua primeira dança em publico?
Joyce Françoso -Meu primeiro espetáculo foi muito engraçado.. Estava SUPER nervosa mas foi feito com muito carinho....  Hoje eu vejo aquele vídeo e penso: ainda bem que eu evolui rs ...
Já a primeira apresentação em publico solo .. foi com o Tony Mousayek e banda no Alibabar aqui na Vila Olimpia. Fiz ate acupuntura pra melhorar a ansiedade... Mas foi um divisor de águas.
AMO dançar com banda e com o publico pertinho.


Jamal -Sempre ouvimos falar de brigas geradas por inveja, falta de profissionalismo, ate mesmo má formação de algumas bailarinas, qual é sua visão referente a isso? E Você acha que pessoas assim são criadas dentro das escolas pelas suas próprias professoras?
Joyce Françoso -Olha ... isso de fato existe. Mas eu prefiro me juntar aos bons.
Certamente há professoras nesse meio que incentivam isso seja através das suas posturas em sala de aula , deixando claro suas “preferidas” ou através de caráter mesmo.
As mulheres as vezes se perdem no caminho qdo começam a disputar ao invés de se unir.

Jamal -Quem hoje você se espelha? Sua bailarina preferida?
Joyce Françoso -Olha ... tenho uma lista .. Mas a minha preferida e a bailarina que mais admiro hoje é a Esmeralda Colabone. ( minha teacher hehehe)

Jamal -Sua familia te apoia? qual a opinião deles referente a dança do ventre?
Joyce Françoso -Super apóiam... eles não tem muita paciência pra assistir espetáculos enormes de dança.
Mas sempre me apóiam a ir atrás do que eu quero.

Jamal -Você acha que a dança do ventre melhorou a mulher que ha em você?
Joyce Françoso -Muito ... acredito que a dança tem o poder de resgatar o feminino deixado meio de lado nos tempos atuais.


Jamal -Deixe um conselho para as novas adeptas a dança do ventre, que estão inciando.
Joyce Françoso -Tudo é possível, não desista. O corpo demora pra absorver os movimentos e entende-los.
Mas é possível ... é só treinar!

Jamal -Você gosta da cultura Árabe, da sua culinária?
Joyce Françoso -Gosto muito ... o povo é caloroso , festeiro ... e adoro tabule! rsrs

Jamal -Qual País ligado a dança você conhece ou tem vontade de conhecer?
Joyce Françoso -Ah ..o Cairo ... ainda vou pra lá!

Jamal -Ja dançou em algum restaurante árabe, qual ? E como foi a experiência?
Joyce Françoso -Dancei no Al Maual ... gostei muito.
Adoro quando o povo levanta pra dançar com a gente.

Jamal -Você tem algum estilo preferido?
Joyce Françoso -Derbak.

Jamal -A Dança com espada, eu particularmente não gosto, pois acho que a bailarina fica limitada pensando em equilibrar o troço na cabeça e esqueçe da dança, me fale qual "modalidade" com uso de acessórios você gosta de dançar e por quê?
Joyce Françoso -Eu gosto de espada hahahaha
Dá uma sensação de poder com ela .. todo mundo sempre gosta.
  

Jamal -Musicas Clássicas, o que tem a me dizer sobre elas?
Joyce Françoso -Elas tocam a alma ... adoro musicas clássicas.

Jamal -Habibit te enchi de perguntas, tem alguma pergunta que queira me fazer?
Joyce Françoso -Vou aproveitar então hehehehe
Jamal ... como você começou a expressar esse seu amor pela dança? É tão lindo!
Jamal Marzuq- Olha habibit, desde que me entendi por gente eu fico fascinado quando vejo uma bailarina do ventre, as cores, a dança, a musica, tudo me fascina, as origens contidas em mim me fazem ter uma intimidade muito grande com essa cultura, é um prazer indiscrítivel quando vejo uma bailarina dançando, é um sentimento de amor mesmo como você citou, eu só agradeço as brasileiras que fortalecem essa divina dança e tambem são apaixonadas, por que senão eu teria que morar lá no oriente (risadas). 

Jamal -Desejo sucesso infinito em sua trajetória, e sei que será grandiosa por que sei do seu amor, dedicação pela dança do ventre. A dança precisa de pessoas como você, apaixonadas, entregues, agradeço mais uma vez por ser minha bailarina de capa e que ilustra algumas materias no blog, muito sucesso você mereçe, Shuckran habibit.

Joyce Françoso -Jamal...
Fico muito feliz por ter conhecido alguém com tanto amor pela dança e respeito pelas bailarinas.
Que vê com respeito à mulher dançando e enxerga a música que há nela.
Espero que seu blog seja cada vez mais lido e divulgado.. é um presente todas nós .
Shuckran 

terça-feira, 7 de maio de 2013

RECEITAS DO JAMAL: BABAGHANOUJ.


UM SABOR ESPECIAL, UNICO, APRENDA A FAZER  O  DELICIOSO BABAGHANOUJ.


INGREDIENTES:
  • 4 unidade(s) de berinjela grande(s)
  • 3 colher(es) (sopa) de tahine
  • quanto baste de sal
  • 1 unidade(s) de limão espremido(s)
  • 1 dente(s) de alho
  • 2 colher(es) (sopa) de salsinha picada(s)         
PREPARO:     

 Escolher berinjela graúda e pele lisa que contenha pouca semente. Colocar a berinjela direto na chama do fogão para pegar sabor de defumado, por volta de 5 minutos. Vire para que ela queime por todos os lados. A casca se romperá e ela ficará mole. Para retirar a cascas, lavá-la em água corrente e puxar a pele. Não deixar muito tempo no fogo pois ela perde o volume e a receita não renderá. Abrir a berinjela e picá-la bem. Por a berinjela em uma tigela, adicionar molho de gergelim (tahine) e um pouco de sal. Misturar bem, juntar suco de limão e misturar novamente. Distribua em uma travessa. Enfeite com salsinha e sirva com pão sírio torrado.

DICA:
- Você pode assar a berinjela em uma churrasqueira a bafo, que deixará um delicioso sabor de defumado. Para isso, corte fora a ponta menor e faça um corte em X para soltar os vapores.
- Caso você não tenha uma churrasqueira a bafo em sua casa você poderá improvisar uma cobrindo a berinjela com uma panela ou tigela funda. Cuidado com os cabos de plástico.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

O PODER DO SORRISO

por: Jamal Marzuq

Um belo sorriso, quem não se encanta com um belo sorriso, um sorrisão.
habibits, na dança do ventre o sorriso é a arma fundamental para encantar o publico. Eu ja falei sobre o sorriso em uma postagem antiga:  

SORRISO SEMPRE


Um aspecto importante na apresentação de uma bailarina é o carisma, ela tem que ser agradável, simpática às vezes uma apresentação ruim onde ela errou muito pode ser disfarçada pelo seu carisma, não adianta ser excelente ter um desempenho ideal, se você fica carrancuda seria prestando atenção em seus movimentos, você torna sua dança monótona de se assistir. A bailarina deve estar sempre com o sorriso no rosto em suas apresentações, mostrando a satisfação que ela tem em dançar e assim ao mesmo tempo passa a satisfação de saber que alguém esta a observando prestigiando assim o publico que a assiste.
Manter o sorriso no rosto durante a apresentação é uma qualidade ímpar da bailarina, a qual mesmo pensando em seus passos, em seu desempenho, ela se mantem aparentemente calma aos espectadores devido o seu tranquilo e belo sorriso, ah! o sorriso deve acontecer de maneira natural e não aquele sorriso forçado dando a impressão de estar mordendo os dentes.
Também é aconselhável quando se apresentar além do sorriso natural e belo no rosto, olhar nos olhos de quem a assiste, isso cria um laço momentâneo entre você e o espectador, levando-o desta forma a prestar atenção em toda sua dança, pois ele se sente intimidado e na obrigação de lhe dar atenção e também de respeita-la, já que é comum quando se dança para leigos eles perderem o interesse pela dança e passarem a admirar os dotes e a sensualidade da bailarina.
Treinem seus sorrisos, deixem exalar o prazer que a dança lhe traz em seu sorriso, seja sempre natural nunca o force e verá que suas apresentações ficaram melhores e mais gostosas.
Boa dança a todas.
  

Um sorriso natural. bonito estampado no rosto tem um poder incrível, é uma artimanha tremenda usa-lo em sua dança, pois irá encantar cada vez mais, assistir uma apresentação de uma bailarina que une a dança e o sorriso é uma das maiores satisfação quem  tenho, simplesmente amo. Uma vez vi uma bailarina aprendiz ( dois meses de aulas) dançar em um restaurante, ela encantou a todos com seu sorriso, sabia apenas o básico do básico, mas só dela passear entre as mesas com seu belo sorriso cativou a todos no local, mesmo que entende de dança do ventre ficou encantado com a apresentação da aluna, devido seu belo e espontâneo sorriso. Complete sua dança com seu belo sorriso, afinal a bailarina que dança feliz dança sorrindo.
Boa dança "sorridente" a todas.


Bailarina foto: Alana Johari