PROVÉRBIOS ÁRABE DO DIA:

"Dança do ventre, é a modalidade de dança que melhor simboliza a essência da criação, onde se agradecia o milagre da vida, louvando, com dança e oração, o prazer, o nascimento e a sensualidade feminina."

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

ADEUS 2012, FELIZ 2013




Acaba-se 2012, um ano para mim maravilhoso, e creio que para todos também, um ano onde a dança se fez mais forte, onde muitas buscaram seu lugar ao sol, suas conquistas próprias, tiraram de dentro de si a força que precisavam para vencer. Acaba-se o ciclo Maia, ouvimos muitos boatos de fim de mundo, vivenciamos muitas catástrofes, vimos impunidade, guerras, violência, pessoas enlouquecidas, vimos a morte; mas só pensei na vida, jamais deixara de existir vida em nossa terra, somos seres felizes e queremos viver ao máximo, desfrutar das coisas boas que esta vida nos oferece, queremos ainda dançar muitas vezes, pisar no chão descalços, sentir o calor da terra, olhar o mar, contemplar a bela natureza, fazer novas amizades, amar, ainda existem as boas pessoas que fazem tudo ser perfeito, que contribuem para nosso mundo ser melhor, o mal jamais vencerá.
É um ano que ficara gravado em nossa memoria, e no novo ano, novos planos, novas ideias, novos projetos, talvez esse ano saia aquela viagem que você tanto queria, para onde era mesmo? Egito, Dubai, Paris? Esse novo ano, terá sua desejada promoção no trabalho, gerencia? Multiplicara as alegrias em sua vida, e você fará muita gente feliz.
2013 vira com força total, e será grandioso, espero que a dança do ventre e outras, sejam ainda maiores, venham com muitas novidades, desejo que todos sejam felizes e que obtenham sucesso em tudo que realizarem, podemos dizer que este ano é nosso, será o ano da renovação, o ano da vitória.
Agradeço a Allah que nos permitiu ate hoje em estarmos aqui, para sermos testemunhas de mais um ano, agradeço a todos os amigos (as) que acompanham o blog, e desejo a todos (as) um ano de 2013 maravilhoso, que se faça presente a paz, saúde, prosperidade e muito amor entre todos (as). E que venham o novo ano, estamos prontos pra ele.

FELIZ 2013

Jamal Marzuq

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

"ELA" ESTA NA PLATÉIA! E AGORA?



Por: Jamal Marzuq

Você esta pronta para se apresentar toda entusiasmada e confiante, quando olha pela fresta da cortina do teatro você vê o teatro lotado e sentada no meio publico aquela sua diva, a bailarina que você acha o máximo. Pronto! Travou tudo! O suor já começa escorrer pela testa, as pernas ficam tremulas, a coreografia começa a sumir da cabeça, a respiração dispara.
Calma, o mundo não irá acabar.
Quando estamos em processo de aprendizagem, seja de qualquer coisa, uma dança, um instrumento musical, ate dirigir, é normal que tenhamos alguém em quem nos espelhamos, uma referencia, tipo:
 - Eu quero tocar violão como tal pessoa! Ou, quero ser como tal bailarina!
Vou contar uma historia pessoal, eu lembro de que quando comecei a tocar violão eu me inspirava em um amigo, Cidão, nossa, achava que ele tocava demais, logo que comecei a realizar alguns acordes ia correndo no meio da turma para tocar, mas, quando chegava o Cidão, nossa! Travava tudo; o dedos ficavam duros, suava nas mãos, esquecia as posições, e já passava o violão pra ele, depois de certo tempo fui me dedicando, se aperfeiçoando, e recentemente fui tocar em uma festa de um amigo, estava tocando quando vejo entrando o Cidão com a esposa voltei no passado, confesso que fiquei apreensivo, mas eu sabia o que estava fazendo e continuei, mas pensando comigo mesmo:
- Nossa não posso errar, tenho que tocar certinho por que com certeza o Cidão estará me analisando!
Terminei a apresentação e Cidão veio até a mim para me cumprimentar, afinal fazia anos que não nos víamos, ele já foi logo dizendo:
- Puxa quanto tempo, meu, você esta tocando muito, muito mesmo, como eu queria tocar assim, nunca consegui tocar dedilhando assim como você esta tocando, fez aulas com quem?
Ouvindo isso eu passei a analisar a situação, e vi que realmente eu tocava muito mais do que ele, na época em que comecei aprender, não era que ele tocava muito bem, era eu que não sabia tocar nada, com minha dedicação e esforço eu fiquei melhor do que o Cidão, que apenas sabia fazer acordes e tocava batidão, e tinha parado nisso.
Isso foi uma lição que carrego ate hoje comigo, nunca podemos desmerecer nossos esforços quando estamos aprendendo algo, hoje somos pequenos, mas amanha seremos imensos, às vezes ate maiores do que aquilo em que se espelhávamos.
Também devemos saber que se temos alguém como uma referencia uma “diva”, sabemos que ela é completa em tudo, pois ninguém irá adorar alguém só por que é bonito, a pessoa tem que ter um conjunto para ser tornar uma referencia para nós, ela tem que ser legal, amiga, verdadeira, e outras qualidades, ai sim ela se torna uma referencia, de que adianta ser uma excelente bailarina e ser uma antipatia só.
Então tenha certeza que esta Diva jamais irá julga-la por ter errado um passo, ou desencentivar você dizendo que você não serve para dançar, muito pelo contrario, ela te incentivara ao máximo, pois um dia ela também estava atrás dessa mesma cortina de teatro olhando pra alguém na plateia, nervosa com as pernas tremulas. Afinal ninguém nasce sabendo.
Boa dança a todas.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

AGRADECIMENTOS PELO ANO DE 2012.


Em fevereiro de 2010 nascia o blog do Jamal Marzuq, com três visitas no mês apenas, um ano depois, em fevereiro de 2011 o blog atingia a marca de 3.878 visitas no mês, hoje o blog recebe uma média diária de 800 a 1.000 visitas diariamente, somando a média mensal de mais de 28.000 acessos, não só o Brasil se faz presente, mas também alguns países que já são figurinhas carimbadas no blog, como: Estados Unidos, Espanha, Itália, Portugal, Argentina, Rússia, França, Venezuela, Alemanha, México, Japão, Marrocos, Egito e outros.
                                                               primeira "cara" do blog

Agradeço a todas (os) que acessam o blog, que gostam do conteúdo nele publicado, temos grandes novidades para 2013, aguardem.
Quero agradecer as colaboradoras do blog, as bailarinas maravilhosas que ilustraram algumas matérias do blog, que mandaram seus textos para serem publicados, realizaram eventos e conversamos muito sobre a dança do ventre.

Agradeço a:


Natália Parzanese;
Joyce Françoso;
Dani Boscolo;
Gaby Piccinato;
Vanda Fenner;
Marilia Gomide;
Isabella Duarte;
Francynne Hernandes Martins
Elaine Murad;
Sasha Holtz;
Mia Minnet ( Mariana Virissimo);
Izza Artigos do  Oriente;
Adelita chohfi;
Viviane Cristina;
Manoela Jacomi;
Rosa dos ventres;
Layane Murad;
Leia Rodrigues;
Sura Zakia;
Denise;
Sandra Perizad;
Leda Bernardi;
Kahina Manelli;
Regina Fonseca;
Francielli Maia;
Vanessa  ( Hani kalila);
Alana Johari;
Mahina;
Priscilla Rodrigues. 



É de todo coração que agradeço a todas que direta e indiretamente participaram, estiveram envolvidas um pouco do “nosso blog”. Muito obrigado a todas!!! (shuckran habibits).

Desejo que 2013 seja novamente o ano da dança do ventre como foi 2012, onde tivemos maravilhosos shows, eventos Árabes fantásticos, surgiram grandes novas bailarinas, que venha 2013 com força total, que seja um ano de muita paz, saúde, sucesso e muito gingado de quadril.
Um bom ano e boa dança a todas.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A ARTE ISLÂMICA

Um vídeo falando um pouco da maravilhosa arte Islâmica, sua arquitetura em rica em formas e detalhes minuciosos.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A BAILARINA E A SERPENTE


Por: Jamal Marzuq

Uma coisa na dança do ventre que fico fascinado é ver uma cobra( serpente) sobre o corpo da bailarina, ela tira toda a fragilidade feminina, e nos remete a estar diante de uma guerreira, uma mulher inteirada com a natureza, ela representa no momento a imagem da mãe natureza ou mãe terra, é como se fosse a rainha absoluta dos seres, a mestra de todos. Uma beleza que cativa, a cobra por sua vez sabe do seu lugar e apenas segue a bailarina como uma comandada que esta ali servindo apenas para o belo corpo enfeitar.
Boa dança a todas.






SERPENTE DO VENTRE

Caia nos braços da dança, seguida por movimentos aguços, de quadris sempre gingados;
No corpo desfila algoz, fitando com olhos sinistros os olhares que a ti direcionam;
Um veneno dos lábios exala, mas em sua dona jamais tocara, é um aviso para quem perto demais chegar, não toque na diva! Há deixe livre bailar.
Eu sigo seus movimentos me enlaçando em seu quadril, sou dela amante pois todo seu corpo percorro, sei de seus mais íntimos desejos, pois ligada a ela estou.
Em transe ela baila, apenas sigo coadjuvante de seu encanto, caio nos braços macios da minha musa dançante.
Enfeito todo o corpo esculpido, pelo mais perfeito artesão que há, seu suor me serve pista para suavemente em seu corpo deslizar.
Sou mística, assusto, mas quando em companhia de minha mestra sou apenas um simples adereço, pois toda atenção ela sabe para si chamar.
Encantando a todos que se atrevem sua dança olhar.
Ah! Se pudesse morde-la!
Deixar meu veneno junto ao seu corpo.
Sentir em minas presas o sabor de sua pele.
Deixa-la em transe desejando o meu peso de seu corpo, jamais tirar.
Sou serpente que baila com o ventre, sou pura imaginação, mística, fria envolvente, mas dependo do encanto de minha mestra, para poder brilhar.


bailarina foto: Vanda Fenner

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

QUANDO DANÇO - Por Natália Parzanese.



Quando danço ...

Quando danço, meus pés tocam o chão, enquanto minha alma sente o solo.
Quando danço me conecto ao "meu peculiar" universo.
Quando danço, os movimentos correspondem a liberdade da minha alma.
Quando danço reconheço a mim mesma.
Quando danço sinto o toque do amor mais forte, pulsando nas minhas veias que saltam a pele.
Quando danço o suor são lágrimas expulsas da dor da vida.
Quando danço meus músculos se travam, enquanto minha alma se liberta.
Meus pés tocam o chão, mas meu íntimo quem o faz dançar.
E tão forte é meu esforço físico, para que agrade com leveza aos olhos de quem vê.
E quantos são os dias a desafiar, a me desafiar em movimentos novos. E quão gratificante é superar.
Quem dança, encara a vida de uma forma diferente. Quem dança vive a vida em um bailado, às vezes intenso, leve, forte, dramático, romântico, doce ...
Quem dança se redescobre,
descobre. Sejam os pés leigos,profissionais,amantes ... Apenas : Dance !!!
Viva essa liberdade de flutuar como uma criança pura,e inocente ! Dance, Dance, Dance !!!

Massssss ! Ahhhhh aqueles dias ... Os movimentos não acontecem !!!! Mais que grande droga!!! Você olha o espelho, ele te olha ... e ... Errei ! .... Olha, te olha, olha, te olha, olha, te olha ( Arritmia ,suor excessivo,calor ) ... CONSEGUI ! E as nossas fases? Nossas crises ? Eu amo a dança ( Onde quer que esteja, seu pensamento só quer dançar, seja qual for a música é criado um cenário, um sentimento, uma dança ) ... A crise do "tempo parado" ! Do tempo perdido! Do estrelismo,da paixão ... e da rotina ! DESISTIR, RECOMEÇAR, VOLTAR ... Ahhhh dançar !


"Eu danço com o coração,não com a ponta dos meus pés".

Escrito por Natália Parzanese

em 15/06/2012 (com 8 meses de prática de dança do ventre e 2 aulas de dança indiana)

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

A DANÇA DO VENTRE E A DANÇA INDIANA



                          Por: Jamal Marzuq


Olá “habibas”,
 Vamos falar sobre a Dança Indiana que foi tão vista na novela “Caminhos das Índias” exibida recentemente, bom à dança indiana e a dança do ventre não são iguais em nada, mas por se tratarem de danças exóticas é comum algumas pessoas confundirem as duas danças.
A dança indiana como o próprio nome diz, nasceu na Índia, País asiático onde tem hábitos semelhantes aos países Árabes, eu disse semelhante, e não, iguais.
Ambas as danças (ventre e indiana) tem muito a ver com espiritualidade, pois nasceram não somente como forma de arte e sim com espiritualidade, louvor, alimento para o corpo e a alma, e ambas geralmente praticadas apenas por mulheres.
Falando das diferenças entre ambas, a dança do ventre concentra toda sua atividade no ventre, e a dança indiana concentra mais nos pés, na dança indiana praticamente não se usa o ventre, no máximo leves inclinações de tronco, onde os movimentos são mais lineares e geométricos, diferente da dança do ventre que são movimentos mais arredondados e circulares.
As roupas também tem grandes diferenças, normalmente as roupas de dança indiana são mais volumosas, tendo mais peças e adornos, a mulher dança mais coberta, já na dança do ventre usa-se mais a sensualidade do corpo da mulher, onde as roupas deixam algumas partes do corpo a mostra, mas também são cheias de exuberantes adornos brilhantes e coloridos ( há também na dança do ventre o uso de roupas longas como as de Khalige).
No Brasil a dança indiana ainda é pouco difundida e não tem muitas escolas que a ensinam, já a dança do ventre é mais difundida, e temos hoje no Brasil muitas escolas onde se possa aprendê-la, mas a dança indiana vem ganhando campo e em breve teremos tantas professoras de dança indiana como temos na dança do ventre.
Em ambas danças o maravilhoso é aspirar toda a cultura que elas representam, pois são culturas milenares enigmáticas cheias de misticismo, e espiritualidade, além de uma rica culinária.

Boa danças a todas.

Bailarina foto: Natália Parzanese.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

BAILARINAS E TATUAGENS


                                                   Por: Jamal Marzuq

Uma coisa que percebi, é que hoje é raro ver uma bailarina de dança do ventre sem tatuagens, é uma minoria as que não têm, vou dar minha opinião sobre bailarinas e tatuagens.
Que me desculpe as tradicionalistas, mas acho que a tatuagem veio pra somar, ela somou a dança do ventre e a tornou muito mais encantadora e um detalhe, foi criada no Egito antigo, então podemos imaginar que as bailarinas do Egito antigo usavam se tatuar de forma permanente, por isso nos dias atuais mais e mais bailarinas estão se tatuando, um resgate do passado, como eu bato sempre na mesma tecla, dança do ventre é um resgate de nossos ancestrais, as mulheres de hoje sentem a mesma coisa que as mulheres do passado, são ligadas por um elo através da dança do ventre.

Pesquisando na Wikipédia:
Existem muitas provas arqueológicas que afirmam que tatuagens foram feitas no Egito entre 4000 e 2000 a.C. e também por nativos da Polinésia, Filipinas, Indonésia e Nova Zelândia (maori), tatuavam-se em rituais ligados a religião.
E considerando que se trata de uma dança árabe vejamos o que a religião diz a respeito da tatuagem:


Islamismo:
Tatuagens são proibidas no Sunismo, mas permitidas no Xiismo. Vários muçulmanos sunitas acreditam que se tatuar é um pecado, pois isso envolve em mudar a criação de Alá (Surah 4 Verso 117-120). No entanto existem opiniões diferentes entre os sunitas do porque as tatuagens serem proibidas (fonte: Wikipédia).

Então vimos que a própria religião fica divida nessa questão, mas não estamos aqui pra discutir religião e sim a beleza das tatuagens nas bailarinas de DV. A tatuagem veio pra somar realmente a dança do ventre, as bailarinas, mulheres diferenciadas, ficam ainda mais diferenciadas quando tatuadas, sabemos que cada uma tem um tema, um motivo para se tatuar, ninguém chega do nada e manda tatuar qualquer coisa no corpo, todas tem algo que as faz ter vontade de ter na pele, algumas são movidas por algo incontrolável dentro de si para ter na pele tal tema, é como se já tivesse gravado em sua mente aquilo que deseja ter exposto em seu corpo.
A composição DANÇA, ROUPAS E TATUAGEM, é uma magia, realmente como apreciador das artes eu fico profundamente encantado quando vejo tudo isso aliado, em uma maravilhosa bailarina.



A bailarina Tatuada (Jamal Marzuq)

Vi a fênix vi o dragão, carpas emolduradas, pássaros brincando com borboletas azuladas;
Vi surgir em meio a tudo isso, você, linda bailarina, rodopiante, olhar simpático, totalmente belo;
Os desenhos iam e vinham, ora pulavam, ora dançavam, era sem fim o intenso bailado;
Senti o calor de a grande fênix exalar, as golfadas de fogo do dragão ao ar, me suavizei com a brisa gelada do mar, quando um golfinho vi suavemente passar;
Fui aos céus vendo as mais belas flores em um imenso emaranhado, com suas borboletas a circular, fiquei abismado com os braços marcados, de grandes tribais mesclados;
O sol e lua se encontravam, nos movimentos das costas marcadas, era tanta luz que vinha de si, que minha vista ofuscava;
Bailava bela, minha bailarina, com seus desenhos pregados no corpo, era toda cheia de olhares pra si, pois era ela a mulher que ali estava a mais bela.


Bailarina foto: Vanda Fenner

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

ARAKIRINHA: REFRESCÂNCIA PARA O VERÃO



O verão esta chegando, nada melhor que uma bebida refrescante para encarar o calor, vou dar a receita de uma bebida muito fácil de fazer,  que usa o Arak (bebida árabe) como base e foi alterada, ficou simplesmente deliciosa e refrescante, a Arakirinha:

Ingredientes:
100 ml de Arak;
1 litro de água gelada;
3 limões;
1 maço de hortelã fresca;
3 colheres sopa de açúcar refinado;
Cubos de gelo.


Modo de preparo:
Bata a hortelã junto com a água gelada no liquidificador ate triturar bem as folhas, coe e reserve na geladeira ou freezer ate usa-lo, enquanto isso vamos preparar outra parte. Em um recipiente apropriado coloque o açúcar os limões picados e soque bem, acrescente o Arak, pegue o suco de hortelã, e misture tudo, acrescente gelo a vontade e pronto é só se refrescar com essa delicia árabe/brasileira.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A DANÇA DA TERRA



por: Jamal Marzuq

Sabemos que a dança do ventre vem de uma cultura milenar, onde alguns estudos revelam que ela foi criada para a fertilidade da mulher, onde ela busca através dos movimentos um interagir com forças naturais contidas no País onde foi criada.

A dança do ventre é uma famosa dança praticada originalmente em diversas regiões do Oriente Médio e da Ásia Meridional. De origem primitiva e nebulosa, datada entre 7000 e 5000 a.C, seus movimentos aliados a música e sinuosidade semelhante a uma serpente  foram registrados no Antigo Egito, Babilônia Mesopotâmia, Índia, Pérsia e Grécia, e tinham como objetivo preparar a mulher através de ritos religiosos dedicados a deusas para se tornarem mães.” (texto tirado da wikipedia).

O Egito, berço da dança do ventre, tem todo um mundo místico em cima dessa cultura, foi em seu solo a milhares de anos atrás que surgiu a fantástica “dança dos quadris”, a tão amada dança do ventre, e digo amada por que a bailarina que a pratica a ama, é como se fosse uma religião, perguntem a qualquer bailarina do ventre o que a dança significa a ela, tenho certeza que todas dirão a mesma coisa, que a dança é tudo pra elas.

Dançar em solo egípcio deve ser uma experiência única para uma bailarina de DV, acho que todas as bailarinas deveriam colocar seus pezinhos sobre aquele solo, e pegar dele a energia que lá existe, a experiência de dançar em solo egípcio é o limiar de uma bailarina, pois acho que ao andar pelas cidades antigas, sentir o cheiro, o vento, o clima, os sons, o corpo deve responder ao chamado da terra, devem sentir algo dentro de vocês que as rementem ao passado, é como se tudo aquilo fosse algo comum, fosse seu mundo, a bailarina de DV não é uma mulher qualquer, já disse varias vezes isso, ela é especial, pois tem dentro de si uma ligação com o passado, por isso todas as bailarinas são incríveis, tem algumas mulheres que tentam fazer dança, mas desistem, são aquelas que não tem dentro de si a chama acesa do passado. Nós homens, podemos ir centenas de vezes ao Egito, jamais iremos sentir o mesmo que uma bailarina sentirá, podemos nos encantar com as belezas visuais deixadas pelos egípcios, com a cultura, os sabores, mas jamais nos encantaremos pela terra, pelo cheiro, pela agua, pelo vento, pelo sol, pelo deserto, é uma relação única que somente a bailarina pode sentir.


A Bailarina da Terra     (Jamal Marzuq)

“Os pés descalços tocam o solo, chão sagrado, místico clima envolvente.
 Baila sobre ele linda bailarina, sublime, ardente.
Deixa para mim apenas seu olhar, e com seus giros se vai.
Mãe terra, dona do céu e do mar, me traga-a de volta, não me faça chorar.
Divina bailarina dos olhos amendoados, do corpo esguio do sorriso largo.
Dona de todo o Oriente, senhora dos movimentos de serpentes.
É rainha suprema, e do chão da terra tira toda sua energia, me encanta com a sua doce magia.
Um dia tenho certeza que cairão diamantes do céu, jogados como retribuição pelos toques de seus pés no chão.
O poder que exala de ti, querida bailarina, a Mãe terra agradece, por mais um dia de sua vida.”

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

A AGUA NO SHISHA (NARGUILE) SERVE DE FILTRO?


                                                             foto: Joyce Françoso                                            

Por: Jamal Marzuq


Narguile ou Shisha como falam os árabes, é um instrumento usado para se fumar tabaco aromático de uma forma muito interessante, não há quem não se encante com a peça de narguile, ela é toda bela, mística, parece que carrega nela toda a magia das mil e uma noites árabes.
 Alguns estudos dizem que é prejudicial à saúde, de fato é sim, pois as essências usam o tabaco, que contem nicotina e alcatrão, além da queima do carvão que ao você puxar a fumaça desce junto a fumaça da queima do carvão, por isso o correto é usar carvão de fibra de coco que é menos nocivo a saúde, e as essências já têm as de pedras que reduz em 100% a ingestão de nicotina e tabaco (veja a matéria abaixo sobre as essências de pedras).

 Muitos acham que a agua usada no narguilé tem a função de filtrar a fumaça, é puro engano a agua apenas pode reter algumas fagulhas (fuligem) de carvão que possam descer pelo cano, notem que após se usar o narguilé a agua continua clara, às vezes ela pode escurecer justamente pelo melaço da essência que escorrer quando se usa um rosh (cerâmica de furos baixos), mas, quando de usa rosh de furo alto a essência não escorre e a agua fica límpida. A função da agua no narguilé é justamente para resfriar a fumaça, quando derem uma baforada coloque a mão na frente e vera o como sai gelada a fumaça, por isso eu aconselho a colocar gelo junto com a agua para resfriar mais a fumaça, ficando assim mais densa, saborosa e prazerosa a fumada.

Para se obter mais sabor é aconselhável usar narguilés grandes e mangueiras longas, pois quanto mais longo for o caminho que a fumaça percorrer melhor fica seu sabor, pois o sabor do carvão vai se dissipando pelo caminho.

Fumar narguile é sempre bom em companhia dos amigos, ou quando estiver sossegado, relaxado e dispondo de todo tempo para apreciar sua fumaça saborosa.

Boas baforadas.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

TREINE SEUS BRAÇOS



                  Por: Jamal Marzuq

Os braços na dança do ventre são de extrema importância, veja no texto em que publiquei no mês de Maio de 2011.

“Vamos abordar um assunto que é bem interessante, e tem um encanto a parte na dança do ventre, o movimento dos braços. Os braços começaram a ser mais explorados com a chegada da dança do ventre nos Estados Unidos, as americanas deram movimentos mais intensos a eles, explorando-os ao máximo. Mas eles foram caindo em acomodo, e não se vê mais evolução neles, os quadris evoluíram muito e continuam evoluindo com novas técnicas, mas os braços continuam o mesmo básico.
Todas as bailarinas usam os braços de forma que se cria a mesma construção de outras bailarinas, observem nos vídeos, os braços são sempre iguais, às vezes mais rápidos ou mais lentos, mas seus desenhos são praticamente os mesmos, as bailarinas devem explorar mais os movimentos de seus braços, criar e inovar com eles, pra sair do básico. Muitas vezes se preocupam com seus quadris e os braços seguem a dinâmica natural da musica, seus floreios, seus serpenteio, ora em cima, ora a meio corpo ou em baixo, não digo que é feio, a dança do ventre sem o movimento dos braços morre, fica pobre, é maravilhoso ver os braços, eles transmitem sensualidade, feminilidade, é simplesmente encantador, mas podia se inovar, criar novas coreografias para eles, isso não é fugir do tradicional e sim buscar um aperfeiçoamento maior, pra deixar a dança mais completa. Eu gostaria de ver novos braços, que pena que não sei dançar nem fazer coreografias, mas fica aqui meu pedido as bailarinas maravilhosas, que criem novos movimentos de braços, enriquecendo ainda mais a dança do ventre.  Deixem seus braços seguirem a melodia, fazerem uma leitura musical com movimentos correspondentes a musica, com novas posições, vamos ousar, deixem ir além”


Então a bailarina deve dar uma atenção toda especial aos seus braços, deve ensaia-los (ensina-los), uma dica é de ensaiar sempre de frente a um espelho para você poder ver a dinâmica de seus braços, ver como eles se comportam quando esta dançando, notar se eles não são repetitivos ou se seus movimentos não são os que você imagina estar fazendo, muitas vezes achamos que estamos fazendo um serpenteado e na verdade os braços estão apenas sendo jogados de cima pra baixo sem qualquer sincronismo.
O braço tem que ser sensual, suave, hipnotizante, as mãos tem que estar em perfeita harmonia, os dedos sempre esguios, mãos fechadas, nunca abertas ou com os dedos cada um pra um lado (espalhados), imagine-se você mesma se acariciando, corra os braços no corpo, deixe toda sua essência feminina comandar os movimentos, depois os afaste do corpo mantendo os mesmos movimentos, ao som da musica e comece a os deixar fluírem realizando os movimentos de dança, eles tem se tornar natural e não forçados.
 Os braços são feitos para bailar e não parar ficar esfregando no quadril imitando movimento de quem esta abaixando as calças ou fazendo novos penteados no cabelo, já vi alguns movimentos que ate a barriga alisavam, como se tivessem acariciando um bebe.
“Habibas”! Coloquem a essência mulher em seus braços e encantem cada vez mais com sua dança.
Boa dança a todas.

bailarina foto: Elaine Murad

terça-feira, 4 de setembro de 2012

O QUE É SER PROFESSORA DA DANÇA DO VENTRE?



Por: Jamal Marzuq



Já fizeram essa pergunta a você?
Bom, desde nosso entender por gente temos em nossas vidas a presença constante de um(a) professor (a), nossos mestres que nos ensinaram a ler, escrever, a conhecer um mundo novo. Os professores são praticamente nossos segundos pais, figuras importantes em nosso desenvolvimento.
 Hoje sendo adultos ainda temos a presença deles, quando queremos aprender um novo idioma, a tocar um instrumento, a aprender a dançar. Dançar! Então vamos falar de dança do ventre; a professora de dança do ventre é na minha opinião diferenciada de outros professores na área de danças, pois elas ensinam uma arte milenar, que não é somente uma dança, é toda uma cultura, um rito, uma filosofia, uma paixão, algo que nasce já com a mulher, ela ensina a tirar de dentro das alunas tudo isso, pois esta no DNA da mulher todo o envolvimento com a dança do ventre, apenas tem que ligar a tecla ON.
Professora de dança do ventre, é a mestra que todas as alunas sentem orgulho, querem ser iguais, é o exemplo a ser seguido, por isso ser professora é alem de ser uma grande profissional, conhecer muito da cultura, da dança, dos ritmos, dos sons, é ser também uma pessoa diferenciada, e uma regra a uma grande mestra é: não se envolver em fofocas, intrigas, coisas que hoje no meio da dança estão se tornando comuns, não sei por que, mas cada vez mais você ouve os maldosos comentários das “amigas”. Bom, mas isso é um outro caso, que não vale a pena perder tempo comentando, apenas acho que ao invés de ficarem destilando veneno sobre as companheiras, deviam se importar em aprender mais, estudar mais, e se tornarem melhores na dança, e não serem as melhores na língua afiada.
Então vale aquela velha regra, tenha em sua escola os seus métodos, o seu modo de ensinar e não se importe com a “sua vizinha”, faça do seu jeito, afinal você é a mestra, a responsabilidade de ensinar é sua, você estudou pra isso, se capacitou, buscou conhecimento, e se tem alunas é por que seu trabalho é reconhecido e gerou frutos.
Eu gostaria de parabenizar a todas professoras de dança do ventre, que ensinam suas alunas levando cada dia mais novas adeptas, novas apaixonadas, perpetuando assim a maravilhosa arte da dança do ventre.

Boa dança a todas.

Bailarina foto: Joyce Françoso

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

PRIMAVERA ÁRABE

Na foto: uma manifestante mostra a mão com os dizeres "nós venceremos" em árabe e as bandeiras da Líbia pré-Kadafi, da Síria, do Iêmen, da Tunísia e do Egito, durante um protesto em Sanaa, capital iemenita, contra o presidente Saleh, em outubro de 2011

Em dezembro de 2010 um jovem tunisiano, desempregado, ateou fogo ao próprio corpo como manifestação contra as condições de vida no país. Ele não sabia, mas o ato desesperado, que terminou com a própria morte, seria o pontapé inicial do que viria a ser chamado mais tarde de Primavera Árabe. Protestos se espalharam pela Tunísia, levando o presidente Zine el-Abdine Ben Ali a fugir para a Arábia Saudita apenas dez dias depois. Ben Ali estava no poder desde novembro de 1987.
Inspirados no "sucesso" dos protestos na Tunísia, os egípcios foram às ruas. A saída do presidente Hosni Mubarak, que estava no poder havia 30 anos, demoraria um pouco mais. Enfraquecido, ele renunciou dezoito dias depois do início das manifestações populares, concentradas na praça Tahrir (ou praça da Libertação, em árabe), no Cairo, a capital do Egito. Mais tarde, Mubarak seria internado e, mesmo em uma cama hospitalar, seria levado a julgamento.
A Tunísia e o Egito foram às urnas já no primeiro ano da Primavera Árabe. Nos dois países, partidos islâmicos saíram na frente. A Tunísia elegeu, em eleições muito disputadas, o Ennahda. No Egito, a Irmandade Muçulmana despontou como favorito nas apurações iniciais do pleito parlamentar.
Líbia demorou bem mais até derrubar o coronel Muamar Kadafi, o ditador que estava havia mais tempo no poder na região: 42 anos, desde 1969. O país se envolveu em uma violenta guerra civil, com rebeldes avançando lentamente sobre as cidades ainda dominadas pelo regime de Kadafi. Trípoli, a capital, caiu em agosto. Dois meses depois, o caricato ditador seria capturado e morto em um buraco de esgoto em Sirte, sua cidade natal.
O último ditador a cair foi Ali Abdullah Saleh, presidente do Iêmen. Meses depois de ficar gravemente ferido em um atentado contra a mesquita do palácio presidencial em Sanaa, Saleh assinou um acordo para deixar o poder. O vice-presidente, Abd Rabbuh Mansur al-Radi, anunciou então um governo de reconciliação nacional. A saída negociada de Saleh foi também fruto de pressão popular.


 fonte: blogs.estadao.com.br

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

JAMAL ENTREVISTA!!!


NOVIDADE NO BLOG:

AGORA A CADA 20 DIAS TEREMOS A COLUNA “JAMAL ENTREVISTA”

SERA ENTREVISTADA VIA MSN UMA BAILARINA DIFERENTE A CADA 20 DIAS POR JAMAL MARZUQ, PARA PARTICIPAR BASTA ENVIAR UM E-MAIL DIZENDO QUE GOSTARIA DE SER ENTREVISTADA E ADD O MSN jamalmarzuq@hotmail.com ,  E VOCÊ SERA SELECIONADA PARA PARTICIPAR DE UMA ENTREVISTA PARA O BLOG, A ENTREVISTA SERA PUBLICADA NA INTEGRA ASSIM COMO SEUS CONTATOS E FOTOS.

É A CHANCE DE EXPOR AQUILO QUE PENSA SOBRE OS TEMAS ABORDADOS E DE DIVULGAR SEU TRABALHO.

domingo, 26 de agosto de 2012

NOVAS ESSÊNCIAS DE SHISHA (NARGUILE)

por: Jamal Marzuq


“Habibas” novidades no pedaço!!!

 Trata-se das novas essências para narguilés feitas de pedras aromatizadas.
Essas novas essências são totalmente livres de nicotina e alcatrão por não conterem nada de tabaco em sua composição, trata-se apenas de pedras que absorvem o melaço e quando aquecidas elas liberam a fumaça com o sabor escolhido. Por não serem considerada fumo(tabaco) elas podem ate ser usadas em ambientes fechados proibidos pelas leis anti- tabagismo, pois em sua embalagem não existem restrições do ministério da saúde, e também não causam o mal que as antigas essências causavam, pois eram tabaco assim como os que compõem o cigarro.
No mercado já há duas marcas a importada da Alemanha da marca Shiazo, por sinal uma excelente  essência de longa duração e a nacional Ishtar, essa segunda tem menor duração mas tem muito mais sabores, como manga, banana, melancia, limão e outros, já a Shiazo tem hortelã, energético, duas maças, maracujá, morango. Você as encontram  em lojas especializadas na media de $15 a $20 Reais.


É recomendado para usa-las um rosh ( cerâmica ) do tipo Vortex ou Punnhel, pois eles tem furos elevados não deixando o melaço escorrer como acontece com os roshs tradicionais que tem efeito de ralo, no qual o melaço escorre por ele, com esse tipos de rosh de furo elevado você aumenta o tempo de uso da essência e seu sabor. A media de preço dos rosh variam de $15 a $30 Reais, também achados em lojas especializadas.



Agora se pode usar a sua Shisha sem peso na consciência de estar consumindo 100 cigarros como vemos em matérias espalhadas pela net.

Boa fumaça saborosa e gelada a todas.

MAIS UM POEMA A BAILARINA DO VENTRE...



Por: Jamal Marzuq

Apenas a observo, gira rodopia, um sorriso me lança;
Linda! Ela baila! Ela dança! Seus braços soltos, seus olhos me encanta;
Que som magico da orquestra exala, e ela ali, apenas no salão sozinha dança;
Suas vestes vermelhas, seus olhos pintados, em sua boca um sorriso que me deixa acanhado;
Ah! Se pudesse, o mundo nesse momento parar, tenha certeza que o pararia, e somente a ti ficaria a observar;
Sou pequeno quando vejo sua dança que sai de dentro de ti, sou aprendiz, sou menino, sou bobo, confesso que você me tira o ar;
Juro! Não consigo meus olhos de ti desgrudar, você me faz seu escravo, me prendendo apenas no seu simples gingar;
Já me levou aos céus infinitas vezes, cuidou de minhas magoas, me fez o sorriso novamente nos meus lábios voltar;
Se tornou minha prioridade, minha inspiração, meu desejo de cada dia acordar sabendo que novamente sua dança poderei contemplar;
Queria que fosse minha, mas quem sou eu? Para tal presente divino poder ganhar?
Se você foi feita para a dança! Feita para enfeitiçar! Pois bem, a deixo seguir livre, para que o mundo conheça o seu modo de dançar. Baila minha bailarina, jamais deixe o bailar.


bailarina foto: Dani Boscolo